O Sitial
  Convênios
  Convênios - Tabela
  Diretoria
  Estatuto do Sitial
  Galeria de Fotos
  História
  Localização
  Serviços
Publicações
  Atas de Reuniões
  Convenções
  Editais
  GUIA NEGOCIAL
Geral
  Galeria de Fotos
  Galeria de Vídeos
 




 
 
 
  Detalhe da Notícia


MINAS GERAIS TERÁ PRIMEIRA PLANTA PILOTO DO BRASIL PARA PRODUÇÃO DE GRAFENO A PARTIR DE GRAFITA NATURAL

Iniciativa pioneira prevê investimentos de R$ 21,3 milhões em três anos

No próximo dia 5 de julho será lançado o projeto “MGgrafeno: Produção de Grafeno a partir de Grafita Natural e Aplicações”. O evento, encomendado e financiado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerias (Codemig), será realizado na sede da empresa, em Belo Horizonte. A data entrará para a história do Estado como um marco para o desenvolvimento de uma nova cadeia produtiva com negócios ancorados no uso do grafeno.

A primeira planta piloto do Brasil para a produção de grafeno em escala industrial é um projeto inovador do Governo do Estado de Minas Gerais. O empreendimento é desenvolvido em parceria com o Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear/Comissão Nacional de Energia Nuclear (CDTN/CNEN), por meio do Laboratório de Química de Nanoestruturas de Carbono (LQN), e com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por intermédio do Departamento de Física (DF-UFMG).

O projeto teve início oficial com a assinatura do acordo de parceria entre o CDTN, a UFMG e a Codemig, no último dia 6/6, em Belo Horizonte. Também integra a parceria a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), que fará a gestão do projeto. A iniciativa pioneira prevê investimentos de R$ 21,3 milhões em três anos, para desenvolver a tecnologia e implantar a produção em escala piloto.

O reitor Jaime Ramírez, da UFMG, vê a parceria entre a Codemig, o CDTN e a própria Universidade como estratégica para o desenvolvimento de uma tecnologia de ponta que pode representar ganhos significativos para a economia mineira. “Com esse acordo, estamos transformando um conhecimento gerado em laboratório em produto de alto valor agregado. Esperamos que esse modelo que ora viabiliza a produção de grafeno em escala industrial inspire outras iniciativas capazes de unir o potencial criativo da academia, a capacidade empreendedora do setor produtivo e o papel indutor do Estado”, afirmou Ramírez.

Nanomaterial de carbono, revolucionário, o grafeno apresenta várias possíveis aplicações. Além disso, a iniciativa integra a estratégia do Governo de Minas Gerais para diversificar a produção industrial do estado, que vai além de materiais básicos e semi-industrializados.

No caso do projeto “MG Grafeno – Produção de grafeno a partir da grafite natural e aplicações”, o grafeno será produzido a partir da grafita natural, que tem em Minas Gerais uma das maiores reservas mundiais de minério de alta qualidade.

A produção de grafeno a partir da grafita natural agrega enorme valor a esse mineral: enquanto uma tonelada métrica de grafite é hoje comercializada por aproximadamente US$ 1.000,00 no mercado internacional, uma tonelada métrica de grafeno é comercializada por cerca de 500 vezes esse valor, sendo que, dependendo da aplicação, o preço pode chegar a US$ 100,00 por grama.

“A Codemig e o Governo do Estado de Minas Gerais perseguem com o desenvolvimento industrial da produção do grafeno a partir da grafita natural, e com o fomento aos desenvolvedores de suas aplicações, o mesmo impacto econômico e social que foi alcançado com a exploração do Nióbio. O Grafeno insere-se hoje na revolução dos novos materiais que definirão a indústria do século 21 ”, salienta o presidente da Codemig, Marco Antonio Castello Branco.

“Para que todas as potencialidades do grafeno sejam aproveitadas em aplicações e gerem de fato prosperidade social e econômica, o primeiro passo é disponibilizar esse nanomaterial a um custo competitivo e com controle de suas propriedades estruturais, morfológicas, químicas e físicas, estimulando e desenvolvendo uma nova cadeia produtiva em Minas Gerais e no Brasil”, ressalta o professor Flávio Orlando Plentz Filho, do Departamento de Física da UFMG.

Valorizando o conhecimento e as competências do CDTN e da UFMG na área de nanotecnologias, em especial daquelas associadas a nanomateriais de carbono, a Codemig firmou um acordo de parceria com essas instituições para desenvolver a tecnologia em escala piloto.

A unidade, que inicialmente terá capacidade de produzir 30 quilogramas de grafeno de alta qualidade por ano, poderá ser multiplicada para atingir produções na casa de toneladas/ano. O projeto demonstrará a adequação do material produzido a aplicações chave: baterias de íon lítio; compósitos poliméricos; filmes finos condutores; sensores/dispositivos.

A equipe do CDTN, liderada pelas pesquisadoras Adelina Pinheiro Santos e Clascídia Furtado, é responsável pelo desenvolvimento da tecnologia de produção do grafeno, separação e demonstração de aplicações em baterias de íon lítio e compósitos poliméricos.

O diretor do CDTN, Waldemar Macedo, realça que o projeto MG Grafeno é um acordo de grande relevância para todos os parceiros envolvidos, permitindo que o CDTN, assim como a UFMG, dê uma nova e efetiva contribuição ao desenvolvimento do Estado de Minas Gerais, por meio da utilização de parte de suas competências cientificas e tecnológicas em áreas correlatas à área nuclear para o desenvolvimento de uma nova cadeia produtiva, baseada em nanotecnologia e envolvendo produtos de alta tecnologia e de alto valor agregado. “Esse projeto está apoiado no sólido conhecimento hoje existente nos grupos de pesquisa envolvidos no mesmo, fruto de quase duas décadas de dedicação à pesquisa básica”, acentua.

A equipe da UFMG, cujos pesquisadores principais são os professores Luiz Gustavo Cançado, Daniel Cunha Elias e Flávio Orlando Plentz Filho, é responsável pela caracterização dos materiais produzidos, para garantia da qualidade do produto, e por demonstrar sua adequação a filmes finos condutores, sensores e dispositivos.

Projeto

A contratação define ações como aquisição de equipamentos e adequações de laboratórios para a montagem e a operação da planta piloto. Após 18 meses do início do projeto, a unidade piloto já deverá estar em funcionamento.

Os recursos a serem aportados pela Codemig permitirão a contratação de uma equipe de 28 pesquisadores e técnicos, para desenvolver as diversas etapas previstas no projeto, promovendo a capacitação de pessoal na área de nanotecnologia. Conforme orçamento, 45% do valor do projeto será alocado em laboratórios e equipamentos; o restante será aplicado em recursos humanos e ações complementares.

O projeto MG Grafeno permitirá ainda a atração de parceiros industriais para o desenvolvimento de aplicações, tendo-se em vista a segurança gerada pela disponibilização do grafeno em quantidades e qualidade adequadas à industrialização de novos produtos e processos.

A iniciativa também envolverá o suporte aos desenvolvedores de produtos e processos, além de estimular pesquisas realizadas em universidades e institutos de tecnologia, bem como a formação essencial de recursos humanos especializados. Todas essas ações culminarão na criação de um ambiente propício para a geração de conhecimento técnico-científico em pesquisa e desenvolvimento (P&D), operação, produção, manufatura e serviços.

Grafeno e Grafite

O grafeno apresenta baixa densidade e altos índices de condutividade elétrica, alta resistência mecânica (maior que o aço), alta condutividade térmica e alta estabilidade química, embora possa ser ligado a grupamentos químicos diversos. Além disso, ele é impermeável até mesmo a átomos de hélio. Sendo um material bidimensional, é ideal para aplicações que necessitam de altas áreas superficiais ativas.

Entre as aplicações do grafeno, destacam-se: compósitos com polímeros, permitindo a criação de plásticos condutores mecanicamente resistentes e com barreiras, por exemplo, para umidade e oxigênio; adição a tintas e vernizes, gerando filmes e recobrimentos protetores de alto desempenho; produção de tintas, recobrimentos para eletrônica impressa e flexível, painéis fotovoltaicos e produção de filmes ativos para fabricação de sensores, inclusive biosensores; produção de baterias de íon lítio de nova geração, produção de membranas eficientes para filtragem, dessalinização de água e permeação seletiva de moléculas orgânicas e inorgânicas e adição a materiais estruturais para reforço de propriedades mecânicas.

Segundo estudo realizado pela Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT) da UFMG, por encomenda da Codemig, atualmente há, no mundo, cerca de 100 empresas relacionadas ao grafeno, sendo que a maioria atua tanto na produção quanto na exploração de aplicações desse novo e extraordinário nanomaterial.

As previsões para o mercado mundial de grafeno indicam uma Taxa de Crescimento Anual Composta (CARG) de 44% até 2020. As recentes movimentações financeiras nos países à frente dos investimentos no grafeno dão uma ideia da crescente importância econômica desse nanomaterial: US$ 2,15 bilhões em 2013, incluindo investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I), investimentos produtivos e a criação de novas empresas e aquisições.

O grafite é o ponto de partida para a produção de grafeno. Minas Gerais possui uma das maiores reservas mundiais de grafita, mineral a partir do qual se extrai o grafite. De acordo com o Departamento Nacional de Produção Mineral, as reservas mundiais de grafita são de aproximadamente 131,4 milhões de toneladas, dos quais 59,5 milhões estão localizados no Brasil, o que constitui a maior reserva mundial.

No país, há ocorrência de grafita natural em quase todos os estados, mas as reservas economicamente exploráveis estão localizadas, principalmente, em Minas Gerais, no Ceará e na Bahia.

Fonte: Central de Imprensa/Governo de Minas



 
 


 
Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Alimentação
 Av. João Pinheiro, 551 - Casa 09 - Vila Iguatimara
Poços de Caldas-MG - CEP: 37701-330
Telefone: (35)3722-7636
email: atendimento@sitial.com.br
www.sitial.com.br
Versão 2.0